electrocd

Critica

Jornal de Letras, March 15, 2004

A atenção do ouvinte deste Migrations centra-se, com naturalidade, em Trois petites histoires concrètes, criada por Stéphane Roy para celebrar o 50º aniversário da invenção da música concreta por Pierre Schaeffer e Pierre Henry. São as duas outras peças integradas no álbum, contudo, que melhor aplicam o tema escolhido, as “migrações”. Acontece que este compositor acusmático de Montréal passou cinco anos em St. Louis, nos Estados Unidos, um país feito por e de imigrantes, e a ideia de viagem a Ítaca, aquela em que o percurso é mais importante do que o destino, em que a busca de felicidade, de sentido, da prossecução de uma utopia valem mais do que a própria felicidade, o sentido inquirido ou a realização utópica, está bem expressa em Appartenances e Masques et parades, concebidas nesse período de emigração de Roy, apresentando-nos a América que fica por trás da verdadeira América, o sonho americano de Tocqueville e de todos e cada um dos emigrantes que partem para a Terra da Liberdade, antes de descobrirem que a realidade é bem diferente e até o oposto do que procuram. É clara a preferência de Roy pelos sons instrumentais, umas vezes reconhecíveis e outras não, e torna-se evidente que muito do material utilizado provém de discos do circuito musical, mais uma vez revelando a influência que os novos concretistas e compositores electroacústicos receberam de DJs, “plunderfónicos” e “plagiaristas”. As novas gerações de académicos já se vão abrindo às práticas populares experimentais e considerando que para fazer esta música não é necessário um estúdio “state of the art” nem caução/protecção institucional…