electrocd

Critica

Jornal de Letras, March 15, 2004

Não é todos os dias que um compositor electroacústico da prestigiada “escola de Montréal” procura a colaboração de um improvisador proveniente do rock progressivo quebequiano (quem se lembra de Les 4 Guitarristes de l’Apocalypso Bar?). Gilles Gobeil propôs-se criar uma obra baseada no «Fausto» de Goethe e a guitarra de René Lussier tem não só papel solístico como carácter de personagem - em termos formais, ocupa o lugar da voz. Mais ainda: acrescenta um elemento performativo a uma música de suporte. Le Contrat levou sete anos a fazer, devido às preenchidas agendas de ambos, mas também é verdade que «Fausto» custou 30 à vida de Johann Wolfgang von Goethe. Resultado: se a colaboração de Pierre Henry com o medíocre grupo rock Spooky Tooth faz parte da história da música concreta, é de prever que, por maior força de razão, o mesmo acontecerá com esta pequena obra-prima transdisciplinar. Três versões anteriores foram apresentadas publicamente, em Montréal, em Paris e no Festival de Victoriaville, mas esta é a definitiva. É de prever que este encontro de dois mundos tenha os seus detractores nos campos do concretismo e da improvisação, mas não me parece que Gobeil e Lussier tenham vendido as suas almas. O primeiro faz o que dele se espera e o guitarrista é igual a si próprio, sem nunca entrarem nos territórios um do outro, mesmo quando Gilles Gobeil manipula os sons tocados por René Lussier.