Critica

Rui Eduardo Paes, Paes, June 1, 2005

Os canadianos Aimé Dontigny (gira-discos) e Érick d’Orion (computador) tiveram antes um projecto com o mesmo nome do programa radiofónico que mantinham na CKIA, Napalm Jazz, e se o anterior título (liberum arbitrium) da fórmula morceaux_de_machines era mais comedido do que este Estrapade, a moldura das suas acções continuava a ser o “noise” improvisado, agora elevado à centésima potência com as colaborações, em três das faixas (as únicas registadas ao vivo), de Otomo Yoshihide, Martin Tétreault e Diane Labrosse. Mais do que alguma vez aconteceu, a teatralidade das situações musicais que constroem é uma estratégia assumida, tanto assim que a própria etiqueta responsável por esta edição, a No Type, fala no “théatre de la cruauté” de Antonin Artaud para apresentar o disco, dele dizendo que é “impermeável à falsa sentimentalidade da harmonia” e “ferozmente desconstrutivo”. Decididamente, as abordagens “onkyo” e “lower case” não fazem o pleno da electrónica actual. O que aqui encontramos tem a mesma entrega e o mesmo “drive” do John Coltrane de Interstellar Space, com contribuições tanto da electroacústica “culta” como do hip-hop e do death metal. Os dois músicos falam mesmo em “maximalismo” para descrever tais procedimentos, em clara oposição ao legado minimalista que hoje marca a frente digital.

Os dois músicos falam mesmo em “maximalismo” para descrever tais procedimentos, em clara oposição ao legado minimalista que hoje marca a frente digital.

By continuing browsing our site, you agree to the use of cookies, which allow audience analytics.