Critica

Miguel Santos, SE7E, November 1, 1992

Acompanhado por um luxuoso livro de 220 pág., este duplo CD, com um tempo total de 156 minutos, revela-se una obra imprescindível em qualquer discoteca contemporãnea. Não pela quantidade em si, mas pela empreendedora associação ã qualidade, revelando-se um documento raro nos dias de hoje. Desde hã algum tempo que a editora empreintes DIGITALes, com o apoio do governo canadiano, vem dedicando a sua energia ã divulgação da nova musica electroacústica feita por compositores canadianos. Eles são Christian Calon, Robert Normandeau, Alain Thibault, Daniel Scheidt, Yves Daoust e por aí fora. Agora é a vez de Francis Dhomont. São aqui reunidas 7 obras, que dão uma compreensiva pãnoramica de uma vida [esta edição comemora o 65 aniversário do compositor / investigador / escritor / professor)apaixonada pela música dos sons, produzindo sequências electroacústicas enjas texturas viajam em constante mutação, numa verdadeira incursão pela experimentação e pela erte da acoasmia (tida como uma alucinação auditiva patológica ou como um som que é ouvido sem se ver a sua fonte). Um ‚portfolio‘ preenchido por geometricas espaciais de movimento sonoro, reveladoras de metáforas visuais de uma riqueza extrema, coisa tão rara nas músicas que a rádiohoje nos dá a ouvir. Este íntegro conjunto de obras, no mínimo, oferece ao ouvinte uma nova e profunda perspectiva auditiva, differente daquela a que estamos habituados a ouvrir, originando uma atitude analítica selectiva que por sua vez conduz a um alargamento e a uma maior compreensão do espectro dos objectos musicais. Uma arte que merecia uma malhor difusão. «It is rare to find such a combination of talent and modesty, enthusiamsm and perseverence», escreveu Pierre Schaeffer, sobre Dhomont.